Ladroagens

1. 
Ana Cristina, pra sempre jovem e linda, de óculos escuros, ostra escura, vivendo de hora em hora com muito temor. 

Ana Cesar, ave!, que se safou voando com o sorriso no canto da boca. 

Ana C., pérola de luz hesitante: o safári era você. 

2. 
Enquanto ardes de desejo

na tarde que arde 
   
Sinto falta do teu ser

de volúpia e tristeza 

3.
A manhã seria azul (não de metileno) mas no meio do céu havia tantos desejos tantos.

4. 
Eu não sou nada, nem pessoa, muito menos Pessoa, mas também lá tenho em mim alguns sonhos neste vasto mundo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário