Montagem e colagem pensando no dia de hoje


Porquês

porque a vida nos golpeia golpes inesperados (nosso cachorrinho morreu envenenado faz 19 dias e acho que nunca vou pensar nisso livre de lágrimas).

porque outros golpes são bem esperados.

porque chove lá fora a casa é fria úmida e a esperança parece ter embarcado numa longa viagem.

porque aquela frase de Hemingway autor empírico em O velho e o mar:  "– Mas o homem não foi feito para a derrota – disse em voz alta. – Um homem pode ser destruído, mas nunca derrotado”, essa frase não se sustenta no atual estado da humanidade.

por esses porquês eu não achava ânimo mas me forcei e começando com as minúsculas que a sem grandeza situação pede.


Frases 1

Do Blog do Menon, comentarista esportivo do Uol: “Hoje, o 7 a 1 passa a ter um companheiro na galeria de vexames [...]. O resultado do jogo não interessa. O jogo é a vergonha. Sua existência nos envergonha.”)

De algum artigo acadêmico: "A montagem (justaposição de trechos) foi uma das grandes inovações da literatura de vanguarda. Não só em busca do efeito do choque, mas também na estruturação do texto [...] Com o tempo o conceito de colagem (citação de material extrínseco) complementou e se confundiu com o de montagem.


Trecho 1

No ônibus no último sábado fim de tarde começo de noite muito começo de noite noite do país chamado Brasil.

O cobrador ao motorista:

“A Manuela  (d'Ávila) eu conheço pessoalmente, ordinária, vagabunda, sem vergonha, a Maria do Rosário eu quero que caia um avião com ela dentro, pode estar junto também a Luciana Genro, que defende a maior podridão que existe no Brasil, os direitos humanos".


Dicionário

gol·pe
(latim colaphus, -i, bofetada, murro, do grego kólafos, -ou, pancada na face)
substantivo masculino
1. Ferida, incisão ou corte provocado por instrumento cortante.
2. Pancada com instrumento contundente. = CONTUSÃO
3. [Esporte]  Movimento técnico de uma arte marcial, usado geralmente para derrubar, imobilizar ou atingir o adversário (ex.: golpe de judo).
4. Operação, geralmente armada, para tomar o poder político (ex.: golpe militar).
5. [Figurado]  Desgraça ou adversidade; sucesso infausto.


Trecho 2

Do conto "Essa Mulher", de Rodolfo Walsh:

"O que queriam fazer com ela?

— Lançar no fundo do rio, atirar de um avião, queimar e jogar as cinzas na privada, dissolver em ácido. Quanto lixo temos que ouvir! Este país está coberto de lixo, ninguém sabe de onde sai tanto lixo, mas estamos com ele até o pescoço, todos nós.
— Todos mesmo, coronel. Porque no fundo concordamos, não é? Chegou a hora de destruir. É preciso quebrar tudo.
— E urinar em cima.
— Mas sem nenhum remorso, coronel. Brandindo com alegria a bomba e a picana. Saúde! — digo, erguendo o copo.

Não responde. Estamos sentados perto da janela. As luzes do porto brilham: azul-mercúrio. De quando em quando se ouvem buzinas de automóveis, arrastando-se ao longe como vozes de um sonho. O coronel é apenas a mancha cinza de seu rosto sobre a mancha branca de sua camisa.

— Essa mulher — o escuto murmurar. — Estava nua no caixão e parecia uma virgem. Sua pele tinha ficado transparente. Dava para ver a metástase do câncer, como um desenho num vidro embaçado.

O coronel bebe. É forte."


Frases 2 

Minha: Viva o Brasil! (Terra de tanto riso, oh quanta alegria: mais de mil palhaços no salão...)

Da minha amiga Luise Aguirra: No caso são mais de 190 milhões de palhaços...

Do José Saramago, em seu blog, 26/02/2009: "Os cães vivem pouco para o amor que lhes ganhamos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário